Reconhecer as próprias vitórias também cura

mulher-vitoria

Pense na sua história.

Puxe na memória todas as vezes em que você se viu diante de um grande desafio ou obstáculo e precisou superar algo em si para vencê-lo.

Não importa se ele era pequeno aos olhos dos outros, se era grande pra você, é isso o que interessa.

Experimente fazer uma listinha dessas pequenas vitórias.

Como você se sentiu depois delas?

Mais forte? Corajosa? Guerreira? Livre? Capaz de conquistar o mundo?

É esse o exercício que o Imagina Coletivo lançou para nós mulheres refletirmos sobre cada um desses momentos e compartilhar essa história em um vídeo de até um minuto para o desafio #DonaDeMim.

Com muito orgulho aceitei o convite para co-criar esse projeto e pude ver, com base na minha dificuldade de fazê-lo e nas de todas as mulheres envolvidas, o quanto pra nós é difícil “cantar nossas vitórias” pessoais, porque desde o berço somos supra exigidas a sermos tantas coisas que tudo fica com aquela cara de “não fez mais que a obrigação”, né?

Mas não pode ser assim!

Percebi que quando começamos a falar com outras pessoas, as coisas iam fluindo, a gente ia perdendo o medo, a vergonha, a sensação de que “a minha história não vale a pena ser contada”, e fomos nos fortalecendo no processo, e nos encorajando a colocar pra fora aquilo que muitas vezes só o nosso travesseiro conhecia.

E dentre tantas histórias bonitas de luta percebemos que, quanto mais dolorida uma lembrança, menor ela ficava ao ser dita, primeiro pra si depois compartilhada, porque quando a gente olha nos olhos do monstro ele fica menor.

Falar daqueles momentos em que você venceu algo é cura, não só pra você como também para quem te escuta. Ouvindo umas às outras a gente se reconhece, a gente se encoraja e se sente mais forte para enfrentar os próprios medos e fantasmas. (O meu tá aqui ó, só clicar!)

E esse medo pode ser deixar pra trás um relacionamento abusivo como também pode ser lutar pelo que você quer na sua vida e carreira.

Desde cedo escutamos o que podemos ou não fazer, por isso seguir o que o nosso coração manda nem sempre será o caminho mais fácil.

Tantas mulheres deixam de lutar pelas carreiras incríveis que sonham ter por se sentirem acuadas, incapazes, por temerem julgamentos e críticas, por não quererem enfrentar pais, maridos, chefes, o status quo… talvez falar com outras mulheres sobre essas escolhas e lutas ajude-as a vencer as próprias batalhas.

Quer fazer mais?

  • Faça uma lista das suas vitórias e cole num lugar onde possa vê-las todos os dias. E vá acrescentando as novas. O exercício em si já vai te dar um super gás pra seguir em frente.
  • Convide amigas para falar sobre essas histórias e comece compartilhando as suas para que elas se encorajem.
  • Sempre que souber de uma conquista feminina, reconheça-a valorizando o feito, diga pra elas o quanto foram incríveis, das meninas às idosas.

Como JoutJout ensinou nesse vídeo:

O antídoto para o que nos envenena está dentro de nós mesmas.

Que tal se a gente dedicasse um tempinho para se curar somente pensando em tudo o que a gente já conquistou? Acho um bom exercício pra se fazer no inverno que é o tempo da reflexão, hein?!

Depois me conta aqui como foi a experiência.